25 mar 2014

Cor de prata da casa

Postado por: Eva Mota

Eu adoro saber que tenho por perto gente que admiro. Por mais que o contato não seja constante é bom observar estas pessoas, saber o que fazem. Quando elas fazem arte então, aí eu adoro mais ainda. Hoje tenho duas garotinhas queridas que há um bom tempo queria aqui. Na verdade, quando tive a ideia de lançar o blog, já sabia que uma pauta seria com elas.

A Flávia Almeida e a Meg Sousa  ilustram lindamente. Conheço as duas daqui da cidade. Flavinha foi minha colega de inglês no século passado (hahaha ok, não divulgaremos números!) e da Meg, me aproximei com a ajuda da noite, cervejas e barzinhos hahaha além dela ser namorada de um amigo querido.

A Meg é uma historiadora de 28 anos, nascida em Salvador e hoje mora aqui no interior. Sempre gostou de desenhar, mas achava que isso era só um hábito de criança.

Meg1 copy

Pelas coisas difíceis que essa vida de meu deus traz, ela voltou a desenhar. E também teve a ajuda da irmã mais nova, afinal, o que criança bem tem é lápis de cor, canetinhas e a tentação foi grande. Em pouco tempo os rabiscos se tornaram constantes. Uma forma de comunicação: “no início era mais uma coisa minha, mas descobri que também era um jeito de falar e comecei a postar alguns no Facebook. Acredito que algumas pessoas de alguma forma se identificam, principalmente os amigos, alguns já transformaram meus rabiscos em tatuagens” conta Meg.

Meg5

Meg4

A menina que desenha ao som de alguma boa canção, nunca fez cursos ou especializações pra tal. Mas confessa que é curiosa e sempre tá atrás de ilustradores, artistas. Pra desenvolver os desenhos, escolheu as canetinhas hidrocor, aquarela e lápis de cor. Os traços das obras da Meg são perceptíveis: os olhos e bocas das personagens são marcantes. E num é que parece com a própria Meg? 😀 Eu olho e já sei que é ela. Que é dela. As inspirações são muitas: “eu desenho quando dá vontade… É também como as coisas saem de mim… Um amor, uma tristeza, uma alegria, uma amizade, um filme, uma música, um livro, uma viagem, um carnaval… Eu não sou muito de falar ou escrever e é assim que os desenhos aparecem” diz ela.

Meg3

Ela ainda não pensa em comercializar seus rabiscos apesar dos pedidos: Eu não pensava em formalizar, muito menos comercializar, mas algumas pessoas já me falaram, me pediram ou me perguntaram se estava a venda… Talvez, quem sabe, um dia… (rs) Eu sou uma taurina muito preguiçosa…”diz ela. O que eu faço com esses taurinos, minha genten? Raiai!

Meg2

A Flavinha mora em Salvador hoje. Tem 27 anos e desde que estudamos juntas, em 1520 como ela lembra 😀 😀 muita coisa aconteceu. Ela seguiu o fluxo e correu atrás daquilo que a deixa bem e em paz. Fez psicologia e agora uma pós em Acupuntura.

Flavinha5 copy

Os desenhos sempre estiveram presentes: “Eu sempre desenhei algumas besteiras nos cadernos da escola, post-it, lista telefônica, enquanto conversava com alguém. Até que um dia um amigo, prestando atenção nessa tendência, me deu uma aquarela de presente… Daí eu consegui abrir mais uma porta pros rabiscos. Mas eles continuam assim, saltando do inconsciente, desde não-sei-quando.” 

Flavinha1

Os rabiscos, geralmente de personagens femininos, possuem traços próprios que é a assinatura da Flavinha. Estes detalhes, desenhos de corpos esguios nasceram naturalmente e quando se percebeu, já tinha esta marca que ela faz questão de preservar. Mistura técnicas como aquarela, hidrocor, lápis de cor e uma cerva gelada pra amenizar o calor no reino do dendê!

Flavinha4

Ultimamente as criações de andrógenos tem sido seu foco. Nada que, como ela diz, consiga explicar racionalmente. E a arte não precisa mesmo, né?

Flavinha6

Ela considera suas criações simples e são cheias de significados: ” “minha vida, meus mortos, meus caminhos tortos” (risos). Tem muita coisa que vejo na internet que me inspira, muitas aquarelas, muitos amigos, muita arte de rua. Filmes, músicas. Meus desenhos acabaram virando minha maneira de comunicar… São meio autobiográficos. Eu sou inspirada pelos acontecimentos, no geral.” E ainda: “Sou eu tentando me explicar.” E a gente te entende, Flavinha!

Flavinha2

Meninas, Meg e Flavinha, obrigada por compartilharem as histórias de cores e desenhos com a gente. Que bom saber como os traços fazem sentindo na vida de vocês. Que eles inspirem todo mundo que visitar o Casinha! Me animo em até mostrar os meus…hum hum, senta aí, Claudia! Hahaha

E vocês aí? Curtiram? Espero que sim! Bjbj, people!

 

 

  • ma stump

    Lindezas inspiradoras! Como é bom ver gente criativa colorindo nosso mundo!

    • Aii, Ma, concordo e me animo com isso! Minha “xoxidão” foi embora depois do post editado 😀 Bj!

  • Naira Oliveira

    São minhas! <3

  • Flávia Almeida

    Obrigada pelo carinho, Eva! Me sinto lisonjeada! Um abraço muito imenso… e precisando, estamos aqui! <3

    • Miminha! Obrigada eu, honra grande! E quero encomendar logo uma minha, prepara os dedos aí! <3 Um bjo!

  • Renato Da Silva Soares

    Duas lindezas de minha vida!!!! AMO!!!!

    • Aiii rasta man vibration yeah! Aposto que tu tá todo orgulhoso dessa sua amorinha! Um bjo!

  • Meg Sousa

    é muito amor! ♥

  • Ana Luiza Dias

    Comecei o post perguntando onde vende e você ainda não comercializa, Meg! :/ #Choramasrosas

    • Hahahaha choramos todas, baby! <3 <3 Bjbj!

  • Yara Aguilar

    Muito lindos os desenhos fiquei fascinada com cada traço…
    …que dom!
    Beijú!

    • Não é Yarinha? Sou fã do trabalho delas há tempos. Um bjo, queridona!

  • Milena Mendes

    Coisa linda de se ver…Parabéns meninas…
    bjo.
    =]

    • Linda mesmo, Mila e uma delícia de conta! <3 Um bjo!

  • Pingback: Artista conquistense expõe desenhos no Viela Sebo-Café | Revista Gambiarra()