17 mar 2017

Reformando uma cozinha corredor e usando tinta epóxi

13

Ei gente boa, como vamos, hein?

Mais uma cozinha miúda, corredor e cheia de branco ganhou vida, cor e claro, uma decor com carinho. Tenho trabalhado muito (Êêê!) e o que bem tem aparecido são clientes que compartilham dos mesmos ideais de decoração que busco em meu trabalho. Com mais economia, criatividade, possibilidades, memória, afeto e significado.

Corri pro apê da minha irmã mais uma vez, com a roupa da corpo e uma mala de ferramenta. Abri o guarda-roupa dela, roubei uma muda de roupa velha pra trabalhar e assim fiz com esta combinação um tanto estranha de roxo com verde fluorescente. Resolvi quase tudo em um dia e meio. O cômodo da vez era a cozinha dela que estava mais acabada que a sala. Como falei lá no Instagram o casal trabalha viajando, usava muito pouco o cômodo que além de ter sido quase abandonada, não era nada funcional. As soluções foram bem poucas, mas já funcionou. A questão não era, aliás, não é colocar o cômodo abaixo, refazer tudo, quebrar tudo… É fazer dentro do que a gente tem e pode muitas vezes. Então bora lá, olhem como era essa coisinha branca demais e com cara de que ninguém passa por aí:

1

Ah, não vai ter foto de boa qualidade, tudo pelo cel capenga mesmo :/ A primeira coisa que fiz foi botar geral pra limpar tudo que estava sujo, principalmente as paredes. Elas foram limpas com álcool. Aproveitei um menino magricelo e comprido que apareceu por lá pra explorar sua energia juvenil 😀 Melll dellls, meu bebê tá crescendo muito rápido!!

3

Com tudo tinindo e brilhando parti pra primeira ideia: delimitar uma faixa na parede oposta à pia onde iam as novas prateleiras. Eu não gosto de paredes tooodas brancas, com muita largura e objetos espalhados por ela. Acho que fica tudo um pouco perdido e por isso lancei mão do truque da faixa com uma cor. Delimitei o espaço com fita crepe comum mesmo. E claro, aproveitei pra fazer o batismo de tinta do meu Zequinha.

2

A tinta que usei foi a tinta Epóxi da Tintas Suvinil na cor “Piscina Natural” (É mais clara que na foto, pastel mesmo). Escolhi duas cores, um tom de azul e este verde pra minha irmã escolher e ela preferiu o verdinho. Excelente pra trabalhar, a tinta é à base de água, acetinada, cheiro não tão forte como os produtos à base de solvente. Pode ser aplicada em paredes de cozinhas e banheiros, mas não indicada pra pisos com alto tráfego e bancadas de pia, por exemplo, onde facas, garfos e outros objetos ficam e vão arranhar, descascar. A Epóxi à base de água não é indicada pra área dentro do box, onde tem contato com água constante. Pra isso é bom usar a tinta base solvente. Ela é super fácil de trabalhar, seca rápido, cerca de 3, 4 horas entre uma demão e outra. Pra cura total o ideal é esperar sete dias. Muita gente me pergunta se pode aplicar a tinta Epóxi em apês e casas alugadas com o intuito de retirar a pintura depois. É o seguinte: pra epóxi à base de solvente existem produtos químicos específicos pra isso como o Striptizi Gel, mas requer muito cuidado já que libera vapor tóxico e inflamável durante o uso. Já a tinta base água pode ser removida com muito esforço com lixa, jateamento de areia ou espátula. Tudo com muito trabalho, atente. Acho mesmo que, decidindo pintar com tinta epóxi, o ideal é não remover depois, então, pensa direitinho, beleza?

Seguindo. Pintei também acima da bancada e a parte da pedra de mármore.

16

Com a tinta secando comecei a colar os adesivos usando o truque de sempre: passando espuma de sabão na parede ao longo da aplicação. Sentamos eu e o short balão fluorescente da minha irmã trabalhando noite a dentro 😀

4

No dia seguinte seguimos com a aplicação do adesivo, a parte mais demorada sem dúvida, mas com resultado muito bom. Usei um rolo e meio dos adesivos tijolinhos da Papel na Parede que tem ótima qualidade, boa impressão e papel grosso, o que facilita a aplicação. É indicado pra áreas como banheiro, cozinha e tudo mais, mas não é todo modelo que vai em área de box, por exemplo. Ah e não vale passar pano com água sanitária, tá bom? Pois mancha a impressão. Enquanto fazia uma coisa ali, esperava secar aqui, pintava cantoneiras, bastão de cortina e seus suportes com tinta em spray vermelha. Também rodamos atrás de ganchos de plástico pra cortina de banheiro pra pendurar a futura fruteira com cestinhas de bike, que compartilhei aqui há mais de um ano.

5

Ah uma dica que gosto: é medir, furar tudo antes de aplicar qualquer pintura. Com os furos feitos antes de tudo, alturas e medidas definidas, a pintura entra em segundo plano escondendo qualquer imperfeição da etapa anterior e o acabamento fica melhor. E assim ficou, gente! A fruteira com a abertura dos ganchos pra dentro e aqueles que vão os acessórios, com abertura pra frente pra facilitar o manuseio.

6

Evitei colocar ganchos com adesivo porque eles  são muito fortes, grudam muito bem e descascam qualquer parede, inclusive as com massa corrida como acontece comigo direto. Então, o pano de prato ficou em um gancho móvel muito usado em portas pra pendurar bolsas e roupas.

7

Tive que fazer muita panorâmica com o cel o que altera o sentido da foto. Então, essa emenda bem fora da horizontal que aparece nos tijolinhos foi efeito da panorâmica e não da colagem, tá bom? Te garanto que tá tudo muito certinho 😀

8

9

Em frente à bancada da pia, mais apoio pra cozinha com prateleirinhas em pínus. Sempre busco furar, no caso de parede de azulejo, no rejunte e não em cima da pedra como minha irmã adora.

13

Instalei cantoneiras dobráveis e aproveitamos a bancada que ela já tinha pra fazer a nova bancada de apoio.

11

10

14

15

É isso, gente! No final o investimento não foi muito maior que o da sala e a transformação foi bem boa. Saiu quase tudo como quis. Quase porque queria ter coberto os furos da cerâmica com massa corrida, mas venderam o produto errado pra minha irmã e não deu tempo trocar. Também não deu tempo furar no horário permitido e instalar o varal retrátil que vai acima da janela da área de serviço, por toda extensão dela. Mas eles vão fazer isso ou faço da próxima vez que for visitar meu povo.

Já já volto com muita novidade por aqui, mesmo, me aguardem! Têm coisas lindas ganhando forma por aqui, mas demoram como quê, ô!

Um beijo e um abraço carinhoso!

 

30 mar 2016

Como pintar um telefone antigo

9

Não. Não. Eu não quero. Eu não qu… ok, mas eu vou. Vou dar razão pra minha irmã. Quem tem irmã mais velha sabe como elas/eles fazem vários “agrados” com a gente, né. É apelido aqui, outro ali… E minha irmã adora me chamar de anta. Tadinho do animal, todo lindo, nem merece isso. Mas ó, eu fui mesmo a maior cabeça de vento. Só essa semana topei com estas fotos de quase cinco, cinco anos atrás. Tô trocando de computador, daí é backup aqui, backup acolá e toinn! Encontrei essa pasta. Nem pensava em blog, mas seguia por aqui em off fazendo minhas artes desde sempre. E justamente por esta falta de compromisso, vai faltar foto desse processo, mas eu te digo como pintei meu telefone antigo <3

Ganhei da família do meu pai que tá em Sampa. Eles tinham este Ericsson oitentão funcionando perfeitamente, mas não usava o bichinho. Nesta época, há quase cinco anos, pai e mãe estavam por lá cuidando da saúde do velho Mota (Meu pai já teve um câncer :/) Mas tudo bom, tudo bem, eis que o telefone chega aqui em casa e quase mooorrro de amor! E claro, ele ia cair na tinta.

1

Não lembro exatamente, mas já tinha um restinho desse esmalte sintético. E não adianta, tentei lembrar o nome específico desse azul e não consegui. Mas então, vou puxar da memória o que eu fiz. Desmontei o telefone quase todo pra poder limpar alguns cantinhos. Primeiro com um pano úmido com sabão neutro e depois, um algodão com um pouquinho de álcool.

2

3

Ah e pincel pra tirar a poeira de aaaanos encostado.

4

Depois daí, lembro que apliquei com rolinho de espuma, um primer pra metais e plástico. Super baratinho e comprei em papelaria mesmo, recordo. Algumas marcas vendem 7 em 1, tipo, um produto pra sete aplicações em superfícies diferentes, desde cerâmica à resina. Então, apliquei nele todinho. E em algumas partes, com pincel. Ia alternando, lembro bem, porque o rolinho vai tirando os desenhos que o pincel faz e eu queria a superfície mais lisa possível.

5

O primer fica parecendo uma camada de plástico mesmo, então nem deu pra lixar pra ter um acabamento bem lisinho. Lembro que vi esta dica em um blog de costura bem fofo, mas não lembro mais de quem era, tem tempo… A menina tinha pintado de vermelho e tinha ficado lindo. Mas o que me agoniava era mesmo a marca de pincel/rolinho. Mesmo assim, fiz a primeira camada.

7

Depois daí não teve mais fotos. Eu sei, eu sei, vacilona eu… Mas seguinte: depois de dar a primeira camada de tinta, levei a lata ainda suja de tinta pra Seu Carlos, parceiro do laqueamento de móveis. Ele fez a mesma cor, mas com outra base, já que pra laquear móveis e objetos a base é outra: Laca, tinta automotiva ou P.U (base de poliuretano). Como já havia feito uma base espessa na peça, ele disse que não teria problema aplicar por cima e não teve mesmo! Protegi as partes que não seriam pintadas com fita adesiva e Seu Carlos aplicou mais duas demãos pra mim no telefone. Ficou tooodo bonitinho.

9

Isso de levar o telefone até ele foi só porque quis reaproveitar o restinho da tinta que tinha aqui pra fazer a base. Se o telefone chegasse hoje aqui na minha mão, já teria pintado diretamente com tinta em spray, sabe? Faria a base com tinta branca primeiro, depois viria com a tinta em spray da cor que escolhesse e pra finalizar, uma camadinha de leve de verniz também em spray. Mais prático, rápido e acabamento lisinho. Outra opção é pra quem já tem o compressor em casa e já se aventura pela pintura. Por enquanto este item-sonho vai ficar distante deste apê pequeno e sem varanda onde moro. Pera… seguraê… vou ali fora sentar no meio fio e chorarrrr 😀 Ainda tenho um espaço pra eu tocar o terror, sério.

No fim das contas, com poucas fotos e projeto de aaanos atrás, o telefone tá lindão ainda, funcionando super bem. De lá pra cá só passou por um revisão e segue firme por aqui, adoro demais! Bj, gente!

10